Raios negros podem estar,   
     bombardeando aviões com 
radiações gama...

Raios negros derrubam aviões

        Desde que Benjamin Franklin descobriu 
a natureza  elétrica  dos raios, o ser  humano acostumou-se a pensar que eles são “apenas”
grandes faíscas elétricas. 
        Entretanto, recentemente foi  descoberto 
um fato perturbador sobre os  raios:  algumas 
vezes   eles   são   invisíveis,     consistindo   em 
pulsos fortes de radiação.  
Joesph   Dwyer,   um  pesquisador  de raios do 
Instituto    de  Tecnologia   da   Flórida   (EUA), 
deu a este fenômeno o nome de “raios negros”. 
Junto  com  os    raios   brilhantes,  disparos  de 
raio-X e mesmo   disparos   poderosos  de  raios 
gama, eles ocorrem pelo menos uma vez a cada 
mil raios.

   A radiação destes disparos invisíveis pode ter 
um milhão de vezes mais energia que a do  raio visível,       mas   é   uma    energia   que    dissipa 
rapidamente em todas  as  direções, em  vez  de 
se concentrar em um filete de  plasma,  como  o 
       O problema do raio negro é que não dá para 
saber quando a pessoa foi atingida por um. 
       A maioria    das   exposições   provavelmente 
acontece      dentro      de     aviões   que   estejam 
atravessando tempestades. 
E basta um deles para os passageiros receberem 
a dose  máxima  segura   de   radiação  ionizante, 
o   tipo   de   radiação   que  causa  mais  danos ao corpo.Felizmente,  eles   são   pouco  frequentes, 
e  os  pilotos  costumam  se  esforçar  para  evitar 
nuvens de tempestade.     Em um avião que fosse atingido   por   um   destes   raios   negros,   só   se 
perceberia um  leve   brilho   azulado  do  lado  de 
fora  da  aeronave;      dentro  dela  não daria para 
ver   nada, a   não   ser   que   alguém   tivesse   um dosímetro, um dispositivo para detectar radiação ionizante.                             Assista o momento exato 
        Descoberta dos raios negros é acidental e sua 
origem   é   misteriosa  A  descoberta  destes  raios 
negros ocorreu de forma acidental.  Basicamente, 
o ar é um isolante elétrico,  o  que  significa  que a eletricidade não consegue passar por ele. 
Mas fortes campos elétricos, como os que ocorrem quando uma nuvem fica carregada, podem romper 
o ar, criando um caminho condutivo.O problema é que,   após   décadas   de   medições  usando balões, aviões e foguetes,  os   cientistas  não  conseguiram localizar campos elétricos fortes  o  suficiente  para romper a resistência do ar.      Para descobrir o que causava   a    criação    do   caminho     elétrico,   eles começaram    a    medir  a  radiação dos raios que as tempestades emitem e descobriram então  os  raios gama e raios-X dos raios negros.
O que causaria estes raios extremamente fortes? 
        Uma especulação é que elétrons super-rápidos, talvez    acelerados    após    ser   atingidos  por raios cósmicos da atmosfera  terrestre, vindos  do espaço profundo, sejam a chave. 
     A teoria é que estes elétrons energéticos colidem com os átomos dentro das nuvens   de  tempestade, criando   os   raios - X  e  raios  gama.   Estas colisões gerariam   uma   reação   em cadeia  que seria a base 
para     o     raio     negro.             7 Misteriosos eventos 
atmosféricos   J.   Eric   Grove,   do   Laboratório    de Pesquisa Naval, em Washington (EUA),  aponta que os disparos de raios-gama descritos  pelo  modelo de Dwyer    são     bastante     semelhante    às    emissões observadas        por     satélites    sobre     nuvens     de tempestade.
     Porém, as observações são de raios mais fortes do que    o    previsto    pela    teoria    de  Dwyer, ou seja, 
ao   mesmo   tempo que se confirma a existência dos raios negros, uma nova dose de mistério é crescida.
        O novo Telescópio Espacial de Raio Gama Fermi pode   ajudar   a resolver este mistério, ao permitir a coleta de mais informações. [Washington Post]

0